IMUNOFLUORESCÊNCIA

teste Imunofluorescência direta de rim

utilidade

Há decadas, o exame de imunofluorescência direta (IFD) tem se mostrado indispensável para detecção de diferentes antígenos no tecido renal. Muitas doenças renais, particularmente as glomerulopatias, podem apresentar o mesmo padrão morfológico; por esse motivo, o exame de IFD é fundamental, fornecendo informações quanto à presença, os tipos e localizações de imunodepósitos. Depósitos de IgA, por exemplo, podem ser observados em pacientes portadores de lúpus eritematoso sistêmico, normalmente em conjunto com outras imunoglobulinas e frações de complemento. Entretanto, quando o depósito de IgA é isolado, esse achado é sugestivo de doença de Berger (nefropatia por IgA). A interpretação dos resultados deve ser sempre correlacionada com os achados clínico-laboratoriais e histopatológicos para completa definição diagnóstica.

material requerido

Tecido renal a fresco, acondicionado em frasco contendo meio de transporte (solução de Michel), fornecido gratuitamente mediante solicitação. Ressalta-se que, após a coleta do fragmento renal, o mesmo deve ser colocado imediatamente no meio de transporte, sem nenhum outro tipo de fixação prévia.

metodologia

Utiliza anticorpos fluorescentes específicos para os antígenos a serem pesquisados: imunoglobulinas (IgA, IgG e IgM) e frações de complemento (C3 e C1q).

transporte

O frasco contendo fragmento renal em meio de transporte pode ser enviado pelos Correios em temperatura ambiente (20-25ºC), devidamente vedado e protegido contra quebra. Ressaltamos que o material deverá chegar ao Laboratório de Patologia Bacchi em até 72h após a coleta do mesmo.

prazo de entrega

7-10 dias úteis.